Apresentação

O Museu Virtual de Ouro Preto constitui exposição virtual permanente do acervo artístico e cultural da cidade, disponível também em DVD. A iniciativa, concebida e realizada em parceria do Centro de Memória Digital com o Museu de Arte Sacra de Ouro Preto (Paróquia de Nossa Senhora do Pilar de Ouro Preto), foi contemplada em concorrência do edital 0306/2007, do Programa Monumenta (Ministério da Cultura) e da UNESCO, contando com aportes financeiros do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O museu virtual viabiliza a visita remota ao patrimônio, ampliando o seu conhecimento e contribuindo para políticas públicas de barateamento e democratização de acesso aos bens culturais.

O foco do Museu Virtual de Ouro Preto está em um dos maiores conjuntos patrimoniais do Brasil, cuja administração pertence à Paróquia de N. S. do Pilar de Ouro Preto e ao Museu de Arte Sacra de Ouro Preto. A instituição preserva e administra seis bens imóveis e 23 monumentos religiosos tombados, entre os quais as três igrejas que integram o tour virtual do Museu Virtual de Ouro Preto. O Arquivo Histórico Eclesiástico da Paróquia integra este complexo cultural e abriga sete metros cúbicos de documentos manuscritos e impressos do sécs. XVIII-XX, bem como o acervo de partituras de música colonial dos séculos XVIII e XIX. O acervo artístico compreende ainda oito mil objetos de arte sacra e profana.

O Museu Virtual de Ouro Preto é um projeto inédito no Brasil. Reúne vários “museus” – as igrejas que são objeto dos tour virtuais – em um único site. Não se limita a uma mera introdução aos seus acervos, no formato de folheto eletrônico. Também não se restringe a apresentar informações detalhadas, à maneira de um inventário de bens culturais. A alma do Museu Virtual de Ouro Preto é a interatividade, pois cria novas perspectivas de apresentação do seu acervo. Museu paralelo, aberto às novas sensações, “constitui um espaço virtual de mediação e de relação do patrimônio com os utilizadores. É um museu paralelo e complementar que privilegia a comunicação como forma de envolver e dar a conhecer determinado patrimônio” (Rosali Henriques).

A Experiência

O projeto foi realizado entre julho de 2008 e fevereiro de 2009, tendo sido precedido por trabalho de documentação fotográfica na semana santa de 2008. Em homenagem póstuma ao Pároco José Feliciano da Costa Simões, o lançamento do Museu Virtual de Ouro Preto ocorreu na Matriz de N. S. do Pilar, em 14 de fevereiro de 2009, com apresentação do concerto do Coral Francisco Gomes da Rocha, da Orquestra Jovem de Sabará e da Orquestra Jovem de Ouro Preto da Escola de Música Padre Simões. Na ocasião, os guias históricos de Ouro Preto participaram de oficinas de treinamento na navegação no tour virtual e na operação do quiosque eletrônico instalado na igreja. A navegação eletrônica, em terminal discretamente disposto no templo, revelou-se o meio mais adequado de visita guiada neste tipo de patrimônio histórico, evidenciando a compatibilidade das atividades propostas com as condições de preservação do patrimônio histórico.

O museu virtual explora as potencialidades que a internet oferece, explorando outras dimensões do patrimônio físico. Apresenta modernos recursos de tecnologia digital - navegação em 360º, imagens 3D e animações digitais – com informações baseadas em pesquisa histórica especializada, tornando possível a observação de aspectos imperceptíveis, a olho nu, de detalhes das igrejas, das imagens e de seus altares. A navegação pelo interior da igreja em 360º, com recursos de zoom, conduz aos links dos altares e das imagens em seus nichos. As imagens dos altares podem ser vistas em 3D e em alta resolução. As informações necessárias para identificação do bem cultural balizam com precisão científica o tour virtual. É possível mudar a perspectiva da navegação em 360º por meio de link que conduz ao outro extremo do templo. Estes recursos potencializam a análise, observação e compreensão do patrimônio. A possibilidade de interação maior com usuário faz com que o museu virtual seja lugar privilegiado de experiências sensoriais.

O Museu Virtual de Ouro Preto é um projeto inédito no Brasil. Reúne vários “museus” – as igrejas que são objeto dos tour virtuais – em um único site. Não se limita a uma mera introdução aos seus acervos, no formato de folheto eletrônico. Também não se restringe a apresentar informações detalhadas, à maneira de um inventário de bens culturais. A alma do Museu Virtual de Ouro Preto é a interatividade, pois cria novas perspectivas de apresentação do seu acervo. Museu paralelo, aberto às novas sensações, “constitui um espaço virtual de mediação e de relação do patrimônio com os utilizadores. É um museu paralelo e complementar que privilegia a comunicação como forma de envolver e dar a conhecer determinado patrimônio” (Rosali Henriques).

Tecnologia e Documentação

O Museu Virtual de Ouro Preto é uma publicação eletrônica construída a partir de roteiro que define as coordenadas históricas e culturais da formação do patrimônio histórico e artístico de Ouro Preto. A pesquisa histórica, de autoria de Marcos Magalhães, situou e certificou o patrimônio artístico e cultural em foco. O inventário de bens culturais das três igrejas está baseado em pesquisa de fontes primárias cotejada com as atribuições da literatura especializada. Essas características o habilitam como certificação oficial dos dados disponíveis sobre este patrimônio e o situam no estado da arte da produção científica, podendo ser atualizado por novas descobertas e pesquisas.

O museu virtual prioriza o uso da imagem como referência patrimonial. A documentação fotográfica do projeto, a cargo do Prof. Dr. Marcelo Feijó e de Pedro Ladeira, produziu mais de 8.000 registros. Cada imagem 3D foi construída a partir do processamento digital de mais de 40 fotografias individualmente tratadas. A documentação fotográfica utilizou o seguinte equipamento: câmara fotográfica digital marca Nikon D200, c/ Lente 18-200 mm F/3.5-5.6, quatro objetivas Nikon (Olho de Peixe, 10 mm f/2.8, Grande Angular, 20mm, f/2.8, tele objetiva, 300 mm, f/3.5 e 60 mm, f/ 2.8, com macro), tripé para fotografia marca Manfroto, com coluna central e bolha de nível, conjunto de flashs eletrônicos da marca Mako, composto por três tochas de 400 watts, luz guia, cabos de sincronismo, refletores em sombrinha, tripés e case, fundo infinito branco e mesa de sustentação.

O laboratório localizado no LabRedes (laboratório do Curso de Engenharia de Redes da UNB) forneceu o ambiente de Desenvolvimento de Processamento Digital de Imagens e de Desenvolvimento de Sistemas. Acomoda um cluster com 8 nodos e servidores de alta performance em Rack de 42Us de altura com 1,9m de profundidade, conectados por uma rede fast Ethernet com velocidade de 100Mbps, e quatro estações de desenvolvimento. O laboratório do CMD também foi utilizado, contando com três servidores de alta performance e 12 estações de desenvolvimento. O ambiente de software utilizado para a construção e hospedagem compreendeu Fedora Core 3, Java 5, Apache Server 2.0, TomCat 5.1, Apache Ant, MySql 5.0, JBoss 4.1 e PostGres 7.1. A topologia da rede utilizada tem a seguinte configuração:

Desenvolvimento

A conjugação de refinada pesquisa histórica e certificação do patrimônio artístico, de ampla e competente documentação fotográfica e de sofisticados desenvolvimentos em tecnologia digital estão na origem do Museu Virtual de Ouro Preto, capacitando-o para várias formas de fruição estética (educacional, turística, cultural, científica e religiosa).

O Museu Virtual de Ouro Preto constitui o projeto piloto para desenvolvimento de novas vertentes de emprego da tecnologia digital na pesquisa, divulgação, proteção e valorização do patrimônio histórico e cultural brasileiro. A sequência do projeto assume a natureza de colaboração multi-institucional e favorece a ampliação e desenvolvimento do modelo para outros sítios históricos. O CMD está desenvolvendo a segunda fase do Museu Virtual de Ouro Preto (que aguarda patrocínio) em parceria com a Paróquia de N. S. da Conceição de Antônio Dias e o Museu do Aleijadinho, mantenedores da outra metade do patrimônio histórico e cultural de Ouro Preto. O objetivo final é aplicar o modelo para criação de museus virtuais em sítios históricos de relevante interesse patrimonial, como os patrimônios mundiais tombados pela UNESCO no Brasil.

Acesse aqui a publicação

Todos os direitos reservados - Universidade de Brasília - Ministério da Cultura